Posts filed under 'Rasayana'

Outono a caminho

Por Marise Berg

Segundo o Ayurveda, somos o microcosmo que reflete o macrocosmo e devemos adaptar a nossa rotina às variações climáticas e sazonais, pois elas exercem grande influência sobre os doshas.

Os períodos intersazonais são chamados de rutu sandhi, e correspondem aos 7 dias no fim e no começo das estações. Nesse intervalo, o regime alimentar correspondente à estação anterior deve ser descontinuado gradativamente e um novo regime deve ser adotado suavemente. A descontinuação repentina ou a brusca adoção de uma nova dieta pode provocar o surgimento de desequilíbrios, decorrente da não adaptação à mudança de hábito (asatmya). O inverso, a persistência de um mesmo hábito alimentar, indiferente das variações sazonais, pode gerar o agravamento dos doshas, pela incompatibilidade da dieta com o clima vigente.

 A transição do Verão para o Outono substituirá o clima intensamente quente e úmido pelo calor suave, vento e a secura até meados de Abril, quando a temperatura começará a baixar. Os atributos da nova estação influenciam fortemente a energia Vata em todas as pessoas podendo gerar constipação intestinal, ressecamento da pele, unhas e cabelos, dores articulares, rouquidão, insônia, ansiedade, medo e nervosismo, além da redução ou instabilidade do apetite.

A dieta é uma ferramenta importantíssima para reequilibrar o sistema tridosha quando este é afetado pelas variações climáticas.  

Nesse período recomenda-se de modo geral uma dieta quente, medianamente pesada, umedecida e nutritiva com predomínio de alimentos cozidos, untuosos (com adição de óleos saudáveis como o azeite de oliva), ingestão de líquidos mornos (chás e sucos cozidos), abundante em cereais como a aveia, laticínios (com temperos), frutas oleaginosas (com moderação). As refeições devem ser freqüentes, em pequena quantidade e regulares. Não deve haver mistura de muitos alimentos na mesma refeição, mas, variedade entre uma refeição e outra. Devem-se usar temperos picantes, mas suaves (açafrão, cardamomo, cebola cozida, coentro, cominho, endro, erva-doce, funcho, gengibre em pó), e sal.

As massagens ayurvedicas combinadas com sauna a vapor são recomendadas pela aplicação dos óleos corporais em temperatura morna, que mantém a nutrição da pele, cabelos e unhas. Outros benefícios são a estimulação da circulação, o relaxamento da musculatura e do sistema nervoso, aliviando os sintomas do estresse.

Add comment março 2nd, 2011

O iogurte e a saúde

Por Dra. Maísa Misiara e Marise Berg

Para a tradição hindu, as vacas são animais divinos, as “mães sagradas” que transformam as plantas e vegetais em leite nutritivo. O iogurte, sendo um laticínio, é considerado pela Ayurveda um alimento sattwico, um néctar para o organismo humano. Ele atua com efeito tônico sobre todos os tecidos e fortalece o sistema imunológico. Em quantidade adequada, estimula a digestão e restabelece a flora intestinal, incrementando a assimilação de diversos nutrientes pelo intestino. É nutritivo, digestivo, estimulante e adstringente. Nele predominam os sabores doce e ácido, a sua energia é fria e é pesado para a digestão.

Seu aspecto ácido, porém, implica em restrições para o seu consumo. É recomendável ingeri-lo em pequena quantidade e adicionando especiarias digestivas como o gengibre e cominho. Além disso, o iogurte não é compatível com frutas ácidas – morango, inclusive – melões, carne, peixe, manga, amido, queijo. É contra-indicado em caso de constipação e de desequilíbrios na pele, como acne e psoríase, e não deve ser consumido à noite (após o pôr-do-sol).  

O consumo excessivo de iogurte pode causar obstrução dos canais, constipação, muco, bile, acidez excessiva no sangue, congestão, acúmulo de gordura e retenção de líquidos. A ingestão de meio copo de iogurte por dia é ideal para qualquer dosha. Para neutralizar as suas propriedades obstrutivas, deve-se prepará-lo diluído em água e adicionando especiarias. Esse preparado, chamado buttermilk (iogurte lavado), atua beneficamente em casos de anorexia, desnutrição, má absorção e diarréia. Limpa os nadis, canais sutis de energia, aumenta o apetite, reduz a fadiga mental, suplementa o cálcio. Pode ser consumido diariamente por todos os doshas inclusive em casos de acidez no sistema digestivo.

Aprenda a preparar um buttermilk saboroso:

Iogurte fresco (quanto ais fresco, menos ácido) – 1 parte ;

Água – 3 partes

 Adicione gengibre fresco (um pedaço de 1 cm para cada copo); água de rosas (encontrada em qualquer lojas de produtos naturais);

Cardamomo em pó; folhas de hortelã frescas;  mel (para kapha ou pitta) ou açúcar mascavo (para vata) a gosto.

Bata todos os ingredientes no liquidificador e coe retirando a espuma que se formará na superfície.

Sirva fresco.

Add comment janeiro 31st, 2011

Que idade é essa?

Por Dra. Maísa Misiara

– De que morreu o paciente?
– Do fim da vida!

Assim afirmava em suas aulas meu querido professor de patologia, com a intenção de deixar claro que não precisávamos morrer doentes. Tampouco, precisamos envelhecer doentes.

Com a proximidade da idade avançada, nossas forças de defesa imunológica entram em declínio, aumentando novamente a tendência às infecções, como na infância; vários órgãos involuem, pois a reposição dos tecidos saudáveis torna-se precária.
Se até então tivemos uma vida harmoniosa, o corpo regride num passo lento; mas, caso contrário, muito rapidamente. A verdade é que: como vivemos, assim envelhecemos! Como cuidamos do nosso corpo-mente-espírito nos fará encontrar as consequentes dificuldades em cada uma dessas esferas.

Iniciando-se mais clara e intensamente após os 60 anos, essa etapa é conhecida como a fase vata da vida. Apresenta características em todos nós: secura na pele e no corpo inteiro, desidratação, rigidez das articulações, déficit nas percepções sensoriais e distúrbios dos movimentos.

Quando nascemos, 70% do nosso corpo é formado por água, com o passar dos anos literalmente desidratamos. Parte da água do corpo está presente nos espaços das juntas, nas articulações, lubrificando-as e nutrindo-as como um óleo, facilitando-lhes o movimento. Se há uma diminuição desse líquido, a junta torna-se seca e áspera manifestando toda a gama de sintomas e adoecimentos, de acordo com o seu maior ou menor comprometimento. Levando em consideração a diminuição natural da água geral do corpo com o seu envelhecimento, o problema pode alcançar uma maior dimensão. Dores, rigidez, artrites e outros padecimentos podem se apresentar.

Todos nós sabemos o quanto é importante uma vida saudável e aqui reside um equívoco. Exercícios físicos vigorosos, além de diminuir a água corporal por meio do suor, podem ferir as juntas e desencadear precocemente limitações em nosso sistema articular.

O Ayurveda dá importância aos exercícios, pois estes ajudam na circulação do sangue e na transpiração do corpo, que o desintoxica. Mas, tanto para jovens quanto para mais velhos, o sistema milenar de cura indiana orienta nessas práticas físicas uma medida certa. A pessoa pode exercitar-se com segurança até a metade de sua capacidade. Podemos perceber esse limite, ao sentirmos o inicio do suor na testa, nas axilas e ao longo da coluna vertebral. Com a continuidade, essa resistência aumentará, mas esse cuidado é necessário principalmente tratando-se de pessoas debilitadas ou idosas que buscam melhorar sua saúde.

Como revitalizar nosso corpo?

Tratamentos que se preocupam em suprir perdas isoladas de minerais, ou repor complexos vitamínicos de A a Z, assim como reposições hormonais, acabam por fracassar, pois, além de não contemplarem uma abordagem para o corpo como um todo, deparam-se com a incapacidade do organismo em aproveitá-los, digeri-los.

A compreensão de que se trata de algo mais complexo e abrangente, resultado muitas vezes de uma vida estressante cronicamente, de maus hábitos alimentares, práticas físicas inadequadas e emoções pouco resolvidas, ajuda quando pensamos em revitalização em um sentido amplo, e a terapia de rejuvenescimento, conhecida como rasayana, trás benefícios mais eficazes do que já experimentamos no ocidente.

O rasayana reúne um conjunto de práticas que reintegram o nosso corpo-mente-alma à saúde sempre que possível e um equilíbrio que minimize as doenças, se já instaladas. Reúne uma orientação alimentar, que aqui será nutritiva, bastante hidratante, quente e rica em alimentos que estejam faltando (dieta antivata), somada às práticas de respiração (pranayamas) que tranquilizem e eliminem o estresse e também a exercícios físicos adequados a cada pessoa (Yoga, natação, tai chi…). Além disso, soma-se a essas a meditação.

Esse conjunto de práticas rejuvenescedoras equivale a um belíssimo veículo sem seu condutor, se não compreendermos o significado dessa importante etapa da vida. Quando crianças, o desenvolvimento do corpo ocupa todo o cenário da nossa vida e, durante o amadurecimento, nossas emoções e pensamentos. Agora, em posse desse longo trajeto, entramos em contato com o terceiro tempo, em que podemos refletir o vivido, perdoar o que não transformamos em nós mesmos ou nos demais e dividir com gratidão o que construímos em sabedoria com todos os seres que nos cercam. A idade é essa.

Maisa Misiara
Médica, idealizadora da Clínica Cítara Saúde

Texto publicado no blog Yoga pela Paz em 25/11/2010

Add comment novembro 26th, 2010


Calendário de Posts

setembro 2017
S T Q Q S S D
« jul    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

Posts by Month

Posts by Category